Quem são os 144 mil mencionados no livro do Apocalipse?

Um dos temas que mais intrigam os adventistas e os cristãos em geral são os 144 mil do Apocalipse. Muitos não compreendem nem mesmo os aspectos mais básicos em relação a eles – se o número é literal ou simbólico, se eles fazem parte da chamada “grande multidão” e, principalmente, quem são eles. Em grande parte, isso se deve a um conselho de Ellen White, de se evitar discussões inúteis sobre esse assunto, assim como outros não essenciais para a salvação.[1] No entanto, ela mesma citou esse grupo dezenas de vezes em seus escritos, relacionando-o a acontecimentos cruciais para o povo de Deus no tempo do fim, como o selamento e a grande tribulação. Tamanha foi a importância desse grupo em seu ministério profético, que os 144 mil foram representados logo em sua primeira visão, sobre o povo do advento.[2]

Tabela Cronológica Sobre a Reforma de Saúde segundo Ellen White

Encontrei essa tabela com os anos que Ellen White recebeu as visões sobre saúde. Ela é bem útil para entendermos que a reforma de saúde não foi dada em uma única visão, mas em várias ao longo de anos e por isso ela foi progressiva, mas não ao ponto de considerar todo alimento cárneo, incluindo as carnes de animais limpos como imundo ou que a igreja devesse fazer prova de comunhão quanto a elas. 


O Anjo de Apocalipse 18 - Tempo e Circunstância Para sua Vinda

Esse estudo foi elaborado por Emerson Rocha, ex-reformista que hoje congrega na igreja Adventista do Sétimo Dia. 

O estudo é grande por isso será dividido em duas partes. Na primeira apresento o seu estudo completo e na segunda parte, as respostas as 11 principais objeções que os reformistas apresentam a esse estudo.

Os nomes dos livros estão ao final do estudo. Se tiver dúvidas quanto as abreviações basta rolar a barra lateral até o final.

O Anjo de Apocalipse 18 - Objeções e Respostas - 2ª Parte

Esse estudo foi elaborado por Emerson Rocha, ex-reformista que hoje congrega na igreja Adventista do Sétimo Dia. 

O estudo é grande por isso foi dividido em duas partes. Nesta 2ª parte apresento as respostas as 11 principais objeções que os reformistas apresentam a 1ª parte do estudo. Pra ver clique aqui.

Os nomes dos livros estão no final do estudo nº 1. Se tiver dúvidas quanto as abreviações basta clicar aqui.

Carne como prova de comunhão é uma doutrina inventada pela ASD-MR

Estudo retirado de um grupo de whatsapp postado pelo Pastor Benildo Gabriel

Irmãos, nós apresentamos mais de 8 textos de Ellen White em datas diferentes, mostrando que carne não é prova de comunhão. Os irmãos da reforma não apresentaram nenhum.

Qual a principal missão dos Adventistas da Reforma - IASDMR?

Quero nesse estudo mostrar definitivamente para todos os interessados que a igreja Adventista do Sétimo Dia - Movimento de Reforma ensina que sua principal missão é tirar os membros da igreja Adventista e levá-los para sua pretensa reforma.

Em seu livro "A mensagem de Deus ao povo do advento" eles fazem várias afirmações semelhantes sobre serem os escolhidos e o povo remanescente que fala na Bíblia contrariando assim os escritos de Ellen White.

Derrubando a tese reformista: "Mateus 19:9. É o Casamento um Concerto Vitalicio?"

A tese reformista de como deve ser interpretado Mateus 19:9

Para eles o texto de Mateus 19:9 fala sobre noivos veja o que dizem:

"O ponto destacado: “não sendo por causa de prostituição”, na mente de muitos, parece deixar uma cláusula de exceção sob a qual poderia-se contrair novas núpcias. Ou seja, segundo esta passagem, se houver prostituição, o marido pode então deixar sua esposa e contrair um novo

A IASD e o Ecumenismo

O que Deus diz sobre a unidade?

Por Ganoune Diop, diretor do Departamento de Assuntos Públicos e Liberdade Religiosa da Associação Geral

Os adventistas do sétimo dia me despejam questões quando descobrem que eu representei a Igreja Adventista nas Nações Unidas e em reuniões de organizações ecumênicas cristãs.

IASD-MR Dita Regras Sexuais Não Bíblicas a Seus Membros

Cuidado ao entrar para a Igreja Adventista do Sétimo Dia Movimento de Reforma, pois a mesma dita regras sexuais para seus membros baseados nos antigos ritos do santuário celestial.

Todos os cristãos da nova dispensação sabem que o véu do santuário se rasgou na morte de Cristo e assim foram abolidas todas aquelas regras que existiam sobre os rituais do templo. Também foram abolidas as festas e reuniões dedicados ao templo. Depois da morte de Cristo houveram muitas mudanças, mas o povo reformista ignora totalmente o que realmente foi

Duas igrejas da Reforma a partir de 1951 - um estudo exaustivo

Nesse post você vai encontrar vários link que falam sobre a separação do Movimento de Reforma em 1951 e suas  duas tentativas de reconciliação.

Quando criei esse blog minha intenção era contar a história da separação movimento reformistas em 1951 e mostrar os documentos que tinha em mãos, mas no decorrer do estudo percebi o quanto equivocado eles se encontram ao não terem o espírito de Cristo e alimentarem tão grande rivalidade e oposição entre si. Suas obras depõem contra o que professam ser. Espero sinceramente que vejam a verdade ao se aprofundarem nesse estudo.

A divisão da reforma em 1951. Duas organizações distintas.

Eis uma breve explicação do que sucedeu na Assembléia Geral em 1951, na Holanda, segundo os documentos que expediram e de que temos cópias.

O Movimento de Reforma viveu até 1951 num ambiente de discórdia e desarmonia. Quem já leu o “Livro do Pecado” (reformista) sabe muito bem como a história da Reforma até aquele ano foi uma história marcada por lutas e dissidências.

Terceiro caso de texto falsificado pela Igreja da Reforma

Já publiquei aqui no blog dois estudos falando sobre esse tema, mas pelo visto, essa questão da falsificação de textos atribuídos a Ellen White ou mesmo a líderes pioneiros adventistas é recorrente na igreja da reforma.

Hoje eu trago para meus leitores e estudiosos da verdade sobre o movimento de reforma mais uma mentira e engano propagado por um século a seus membros por esse falso movimento reformatório.

Outro Texto de Ellen White Adulterado pela Igreja ASD Movimento de Reforma

Desta vez o absurdo foi cometido no livro "O Maior Discurso de Cristo" cujo nome em inglês é "Thoughts from the Mount of Blessing". No qual os reformistas traduziram e mudaram o original para uma tradução que os beneficiassem em suas doutrinas contrárias a Bíblia e aos Testemunhos.

A imagem acima mostra quatro capas diferentes do mesmo livro. Duas capas do livro produzido pela igreja Adventista e as duas versões do mesmo livro produzidos pelos reformistas com o texto modificado.

40 Perguntas aos Pastores da Igreja Adventista do 7º Dia - Movimento de Reforma Sobre Pecado Original

Em 2011 comecei a estudar sobre a mensagem de Waggoner e Jones em 1888 que a igreja da Reforma tanto fala que foi o divisor de águas e o estágio embrionário do movimento deles. Mas ao estudar as doutrinas por eles pregadas percebi as incoerências dos reformistas. 

Ellen White não é uma “Segunda Bíblia”

Estudo retirado do site Novo Tempo e publicado por Leandro Quadros.

1 Crônicas 29:29
Fico impressionado com tamanha desinformação que se espalha no mundo religioso a respeito das crenças dos Adventistas do Sétimo Dia. Uma das acusações que mais recebo é a de que “os sabatistas fazem de Ellen White uma segunda Bíblia”. Fico triste em ver que muitos irmãos preferem dar crédito à informações de “terceiros” ao invés de irem “direto na fonte”.

Os 144 mil são literais ou simbólicos?

Estudo que refuta a resposta a objeção nº 17 da página 113 a 115 do livro "O selamento do povo de Deus" de A. C. Sás da editora Vida Plena, pertencente a igreja Adventista do Sétimo Dia Movimento de Reforma.

Há alguns anos atrás fui fazer um estudo com um adventista sobre os 144 mil e grande foi minha surpresa ao perceber que não tinha provas contundentes que apoiassem a ideia da literalidade. E hoje eu vejo o quanto o povo da reforma me

O adventista pode votar? Um estudo baseado em Ellen G. White e na Bíblia.

Segundo o movimento de reforma a igreja não pode deixar seus membros votarem e o cristão não deve participar nas decisões do país onde mora. Para eles isso é pecado e questão de doutrina. Nesse estudo visamos esclarecer se realmente é pecado votar e ainda se a igreja tem direito de proibir o membro de participar de eleições ou ser político.

Textos de Ellen G. White mal interpretados pelos "Reformistas"

Os movimentos reformistas como o de 1914, 1951, etc., são mestres em torcer e aplicar de maneira errônea textos da Bíblia e do Espírito de Profecia, para darem ar de crédito às suas ideias. Eles usam os escritos de Ellen White de uma maneira errada para acusarem a IASD. Em muitas citações onde a irmã White dá aconselhamentos e mesmo repreensões à Igreja, em determinados momentos, os reformistas usam estes textos para demonstrar que Deus rejeitou a IASD. Usam os textos fora do seu contexto de forma até absurda... Vejamos alguns exemplos:

9 Perguntas Feitas pelos Adventistas que o Movimento de Reforma não Respondeu em Friedensau

"L. R. Conrad — Agora temos algumas perguntas à Associação Geral, as quais apresento aqui.

1ª pergunta: Nossa direção falhou ao tolerar o serviço militar de nossos irmãos em tempo de paz e a freqüência de nossos filhos às escolas no Sábado?

É preciso ter em conta que todos estavam animados do vivo desejo de conseguir, dentro do possível, o Sábado livre para ambas as partes. Nossos irmãos permaneceram encarcerados durante anos, não porque se negassem a prestar o serviço militar, mas por desejarem ter o Sábado

Estudo sobre Casamento, Divórcio e Novo Casamento

A discussão entre adventistas quanto ao divórcio e novas núpcias remonta ao início da história da IASD, por ocasião da organização de sua primeira associação. No entanto, uma posição da instituição sobre o assunto só definiu-se em tempos mais recentes. Diante disso, vê-se como pertinente uma compreensão da postura da IASD sobre a questão em suas primeiras décadas, por meio do posicionamento de Ellen G. White expresso em seus escritos. Este artigo discorre sobre a posição de Ellen G. White a respeito de casamento, divórcio e novo casamento. Descreve sucintamente sua visão sobre a natureza e preparo para o matrimônio e procura sistematizar os conselhos dados por ela às famílias que se depararam com essas situações.